Angola melhora o seu sistema de saúde com apoio do Banco Mundial

O Ministério da Saúde angolano promove uma academia para melhorar o sistema de saúde de Angola, com o apoio do Banco Mundial vai abranger 21 municípios de sete cidades do país.

Esta notícia é fonte de um artigo enviado à agência Lusa, o Ministério da Saúde informa que a acção denominada “Curso – Macro do Banco Mundial em Reformas de Sistemas de Saúde”, teve início hoje, em Luanda, decorre até sexta-feira e dirige-se a 50 participantes.

De acordo com a nota, o curso insere-se no Fortalecimento do Sistema de Saúde (PFSS), abrangendo as províncias de Luanda, Bengo, Lunda Norte, Malanje, Moxico, Uíge, Cuando Cubango, com a melhoria da qualidade da prestação de serviços de saúde entre os painéis.

O fortalecimento da gestão do sistema nacional de Saúde para o apoio à prestação de serviços de saúde de qualidade, o apoio à capacidade de prevenção e resposta às emergências de saúde pública são igualmente alguns dos temas para este ciclo de formação.

A par de técnicos do Ministério da Saúde, participam igualmente da formação, técnicos dos Ministérios das Finanças, Economia e Planeamento e da Administração do Território e Reforma do Estado.

Como prevenir a transmissão de gripe nas crianças?

Com a chegada do inverno, época de maior transmissão do vírus da gripe, é necessário reforçar os cuidados de higiene para afastar a doença.

Lugares com diversas crianças, como creches e escolas, o cuidado precisa ser a dobrar. Pais, educadores, cuidadores e as respectivas crianças podem adoptar certas medidas para impedir a transmissão da gripe como:

  1. O conjunto de crianças em creches simplifica a transmissão da gripe entre crianças vulneráveis. A melhor maneira de resguardar as crianças contra a gripe e possíveis complicações graves é a vacinação anual contra gripe, que é recomendada a partir de seis meses até menores de cinco anos de idade.
  2. Os professores, além da adopção das medidas gerais de prevenção e etiqueta respiratória, devem realizar a limpeza dos brinquedos e materiais escolares com água e sabão quando estiverem sujos.
  3. Deve-se utilizar lenço descartável para limpeza das secreções nasais e orais das crianças. Lenços ou fralda de pano, caso sejam utilizados, devem ser trocados diariamente. Deve-se lavar as mãos após contato com secreções nasais e orais das crianças, principalmente, quando ela estiver com suspeita de síndrome gripal.
  4. Cuidadores devem observar se há crianças com tosse, febre e dor de garganta e informar aos pais quando apresentarem os sintomas de síndrome gripal. Devem, também, notificar a secretaria municipal de saúde, caso observem um aumento do número de crianças doentes com síndrome gripal ou com ausência pela mesma causa na creche.
  5. O contato da criança doente com as outras deve ser evitado. Recomenda-se que a criança doente fique em casa, a fim de evitar transmissão da doença. Recomenda-se que a criança doente permaneça em casa por pelo menos 24 horas após o desaparecimento, sem uso de medicamento, da febre.

Fonte: Blog Saúde

Aprende a cuidar dos teus dentes

Quando tiras uma foto e todos dizem: “Cheese!!!! Sorria!” Abres a boca e mostras os teus dentes. Depois quando vês a foto, vês uma pessoa feliz a olhar para ti. Quanto mais saudáveis são esses dentes, mais feliz tu ficas. Porquê?

É porque seus dentes são importantes de várias maneiras. Se você cuidar deles, eles ajudarão a cuidar de você. Dentes fortes e saudáveis ajudam-no a mastigar os alimentos certos para o ajudar a crescer. Eles ajudam você a falar claramente. E sim, eles ajudam você a ter a melhor aparência.

Por que os dentes saudáveis são importantes?

Como cuidar dos dentes ajuda com todas essas coisas? Cuidar dos seus dentes ajuda a prevenir a placa bacteriana, que é um filme claro de bactérias que grudam nos dentes.

Se você não cuidar dos seus dentes, cavidades e gengivas insalubres tornarão sua boca muito, muito dolorida. Comer refeições será difícil. E você não vai sentir vontade de sorrir tanto.

Antes da pasta de dentes foi inventado

Temos sorte de sabermos muito agora sobre cuidar dos nossos dentes. Há muito tempo, à medida que as pessoas envelheciam, seus dentes apodreciam e ficavam muito doloridos. Para se livrar de uma dor de dente, eles tiveram seus dentes arrancados. Finalmente, as pessoas aprenderam que limpar os dentes era importante, mas não tinham pasta de dentes imediatamente.

Enquanto você está girando a pasta com menta fresca em volta da boca, pense no que as pessoas usaram há muito tempo para limpar os dentes:

  • giz ou carvão vegetal
  • suco de limão
  • cinzas (você sabe, as coisas que sobram depois de um incêndio)
  • tabaco e mel misturados

Foi apenas há cerca de 100 anos que alguém finalmente criou um creme de mentol para limpar os dentes. Não muito tempo depois, o tubo de pasta de dente foi inventado, para que as pessoas pudessem espremer a pasta diretamente na escova de dentes! A escovação dental tornou-se popular durante a Segunda Guerra Mundial. O Exército dos EUA deu escovas e pasta de dentes a todos os soldados e eles aprenderam a escovar duas vezes por dia. Naquela época, os tubos de pasta de dente eram feitos de metal; hoje eles são feitos de plástico macio e são muito mais fáceis de espremer!

Hoje há uma abundância de opções de pasta de dente: muitas cores e sabores para escolher, e alguns são feitos apenas para crianças. Quando você estiver escolhendo uma pasta de dente, verifique se ela contém flúor. O fluoreto torna os dentes fortes e protege-os das cavidades.

Quando você escova, você não precisa de muito creme dental: basta espremer um pouco o tamanho de uma ervilha. Também não é uma boa ideia engolir a pasta de dentes, portanto, certifique-se de cuspir após a escovação.

Como manter seus dentes saudáveis

As crianças podem se encarregar de seus dentes seguindo estas etapas:

  1. Escove pelo menos duas vezes ao dia – depois do café da manhã e antes de dormir. Se puder, escove depois do almoço ou depois de lanches doces. Escovar correctamente decompõe a placa.
  2. Escove todos os dentes, não apenas os da frente. Passe algum tempo nos dentes ao longo dos lados e nas costas. Peça ao seu dentista que lhe mostre a melhor maneira de escovar para limpar os dentes sem danificar as gengivas.
  3. Tome seu tempo enquanto escova. Passe pelo menos 2 ou 3 minutos a cada vez que você escova. Se você tiver problemas para manter o controle do tempo, use um cronômetro ou reproduza uma música da qual goste para ajudar a passar o tempo.
  4. Certifique-se de que sua escova de dentes tenha cerdas macias (a embalagem informará se elas são moles). Peça aos seus pais para ajudá-lo a obter uma escova de dentes nova a cada 3 meses. Algumas escovas de dente vêm com cerdas que mudam de cor quando é hora de trocá-las.
  5. Pergunte ao seu dentista se um enxaguatório bucal antibacteriano é ideal para você.
  6. Aprenda a usar fio dental, o que é uma maneira muito importante de mantê-los saudáveis. É estranho as primeiras vezes que você faz isso, mas logo você será um profissional. Deslize o fio dental entre cada dente e ao longo da gengiva suavemente uma vez por dia. O fio dental livra-se da comida que está escondida onde a sua escova de dentes não pode obtê-lo, não importa o quão bem você escova.
  7. Você também pode escovar a língua para ajudar a manter a respiração fresca!

Também é importante visitar o dentista duas vezes por ano. Além de verificar se há sinais de cáries ou doenças nas gengivas, o dentista ajudará a manter os dentes limpos e poderá ajudá-lo a aprender a melhor maneira de escovar e usar fio dental.

Não é apenas escovar e usar o fio dental que mantém os dentes saudáveis – você também precisa ter cuidado com o que come e bebe. Lembre-se, a placa em seus dentes está apenas esperando que o açúcar chegue. Coma muitas frutas e verduras e beba água em vez de refrigerante. E não esqueça de sorrir!

5 exercícios simples que irão transformar o seu corpo em apenas quatro semanas

Enquanto muitas pessoas optam por seguir o caminho de academias de ginástica, equipamentos especiais e suplementos mágicos, há também aqueles que gostam de manter as coisas simples: comer menos, mas saudáveis e realizar exercícios de peso corporal em casa. E quem consegue melhores resultados?

Em geral, as pessoas que não se esquecem de que o foco de suas metas são elas mesmas e conseguem introduzir hábitos mais saudáveis em seu estilo de vida existente sem depender muito de ferramentas e tendências externas, são as pessoas que alcançam progresso sustentável e levam vidas mais felizes.

Neste artigo gostaríamos de encorajá-lo a fazer cinco exercícios todos os dias, começará a ver melhorias no tamanho da cintura e na composição geral do corpo em menos de um mês. É óbvio que não obterá o corpo dos seus sonhos num período tão curto, mas nós garantimos que se vai sentir como se fosse um grande passo mais perto disso. meta inatingível.

Aqui vamos nós:

1. Prancha

A prancha é um dos maiores e mais subestimados exercícios de todos os tempos.

É praticamente um exercício estático de um movimento que o ajudará a construir um núcleo de aço, abdómen rasgado e ombros fortes. Basta colocar a posição de flexão no chão, dobrar os cotovelos em 90 graus e apoiar-se nos cotovelos, antebraços e antebraços, formando uma linha recta da cabeça aos pés e segurá-la pelo maior tempo possível sem mover a cintura ou o rabo.

2. Flexões

Flexões é o exercício final do peso corporal que utiliza literalmente todos os principais músculos do seu corpo, ajudando-o a firmar.

Entre em uma posição de prancha, colocando suas mãos directamente sobre os ombros e empurre todo o seu corpo para cima, mantendo uma linha recta com as pernas, costas e rabo. Baixe seu corpo da mesma maneira e repita.

3. Agachamentos

Agachamento irá ajudá-lo a construir seus abdominais e ancas, além de fortalecer todo o seu núcleo e melhorar a queima de gordura global.

Para o agachamento padrão, seus pés devem estar separados na largura dos ombros ou um pouco mais. Estenda as mãos para a frente e sente-se para trás e para baixo, mantendo a cabeça voltada para a frente. Certifique-se de que suas costas não estão voltadas. Mantenha-se abaixando até as coxas estarem paralelas ao chão (se possível). Pressione de volta através de seus calcanhares.

4. Bird-dog

A partir de uma posição de prancha, apoie-se nos joelhos e nas mãos e simultaneamente estique uma perna e o braço oposto, mantendo ambos perfeitamente direitos.

Segure por um momento, abaixe-os e repita com a outra perna e braço. Este exercício aumenta a força do núcleo tanto no abdómen quanto na região lombar.

5. Lying hip raises

O lying hip raise é o exercício de peso corporal perfeito para a construção de glúteos e isquiotibiais poderosos enquanto também fortalece o abdómen, costas e coxas.

Deite de costas no chão com os joelhos flexionados e os pés chatos. Estenda os braços para os lados em um ângulo de 45 graus. Esprema os glúteos e levante os abdominais em direcção ao tecto, certificando-se de inclinar a pélvis. Levante-os o mais alto possível, apertando seus glúteos. Lentamente abaixe-se e repita.

Perda de peso saudável e dicas de dieta

Precisa de perder alguns quilos depois dos excessos dos últimos meses? Aprenda a emagrecer sem voltar a engordar

Os excessos que foi cometendo nos últimos meses não enganam: precisa de perder alguns quilos. Iara Rodrigues, nutricionista na clínica New Body, em Lisboa, dá-lhe uma ajuda.

Antes de mais, convém esclarecer que o pressuposto desta dieta não é levá-la a emagrecer a qualquer custo, mas sim reajustar a sua silhueta de forma saudável e sustentável, para não voltar a engordar. Na verdade, de nada adianta fazer uma restrição alimentar drástica para perder peso em tempo recorde, porque assim que voltar a comer «normalmente» os quilos perdidos voltam também e, muitas vezes, «acompanhados».

«Se demorou um, dois, cinco ou mais anos a ganhar “aqueles” quilos que tanto a incomodam, porque motivo há-de acreditar que, em pouco tempo, vai ser possível perdê-los?», questiona a nutricionista. «Convém saber que fazer jejum ou saltar refeições é prejudicial, quer para a saúde, quer para as boas intenções: é que, após longos períodos sem comer, tendem a cometer-se excessos.

O radicalismo não é a solução: eliminar alimentos ou reduzir abruptamente as calorias ingeridas pode dar mau resultado», sublinha. Então qual a solução? De acordo com Iara Rodrigues, «perder peso implica, antes de mais, uma mudança de comportamentos». Como? «Comece por identificar a presença de quilos a mais, pense no incómodo que isso lhe causa, bem como nos hábitos que conduziram a essa situação», indica a nutricionista. Depois, «use o bom senso, trace um plano com metas realistas e graduais e encontre a motivação que lhe falta para começar e manter o processo».

Ainda assim nem sempre se consegue controlar o peso sem ajuda. Neste caso,
uma consulta médica com um nutricionista permite tomar conhecimento de
todas as opções, nomeadamente no que se refere a dietas exequíveis e
aconselhadas, levando ao desenvolvimento de uma maior responsabilização
do paciente pelo seu estado de saúde.

Regras da dieta

Conforme sublinha Iara Rodrigues, «uma dieta cujo objectivo é perder peso em poucos dias nunca deverá ser a sua primeira opção». A alternativa? «Faça-o gradualmente e sem radicalismos». Para esse efeito, a nutricionista aponta as seguintes regras:

  • Comer mais vezes e em menor quantidade
    «As primeiras medidas para a correcção de peso impõem a redução da ingestão calórica diária. Para além disso, o intervalo entre as refeições deve variar de acordo com o tempo de digestão de cada indivíduo e dos alimentos ingeridos, mas não deve ultrapassar, em média, as três horas. O importante é comer antes de sentir fome».
  • Escolher os alimentos
    «Uma dieta em que se pretende alcançar um objectivo “rápido” deverá abundar de alimentos “saudáveis” e excluir os ditos “desaconselhados” (queijos gordos, enchidos, álcool, refrigerantes, bolachas, gelados, chocolates, pastéis, etc.). Deve também incluir uma quantidade de proteína (peixe, carne ou leguminosas) e de gordura. A preferência deverá recair sobre o azeite, que acompanha bem os vegetais. Nas refeições intercalares, deverá optar por fruta ou iogurtes».

Dieta para 7 dias

A nutricionista Iara Rodrigues definiu um plano alimentar adaptável aos 7 dias da semana, sublinhando tratar-se apenas de um exemplo passível de ser seguido. Outras alternativas poderão ser encontradas, de acordo com o perfil e necessidades de cada pessoa.

Ao acordar: 1 copo de água (preferencialmente água morna com umas gotas de limão).

PEQUENO-ALMOÇO

Sugestão 1: 1 copo de leite magro ou 1 iogurte magro (aromas, pedaços ou natural) ou sumo de laranja natural + 1 pãozinho (integral ou mistura) com 1 colher de chá de manteiga ou doce ou 1 fatia de queijo (menos de 45% gordura) ou fiambre ou ainda meio queijo fresco ou 1 colher de sopa de requeijão. 
Sugestão 2: 
4 a 5 colheres de sopa de cereais (30 g).

MEIO DA MANHÃ

1 fruta (rodela de ananás, pêra, maçã, laranja, tangerina, kiwi, melancia ou melão) ou 1 iogurte magro.

ALMOÇO

1 sopa de legumes (com pouca batata) ou 1 salada ou legumes cozidos (cenoura, abóbora, espinafres, agriões, nabiças, alho francês, feijão verde, rúcula, tomate, couve lombarda, etc.) + 1 batata ou 2 colheres de sopa de arroz ou massa ou 3 colheres de sopa de feijão ou grão ou lentilhas ou milho ou 4 colheres de sopa de ervilhas ou favas + 1 posta de peixe ou carne ou 2 ovos (até 2 por semana).
Sugestão de peixe: pescada, dourada, robalo, salmão, linguado, bacalhau, etc.
Sugestão de carne: vaca, frango ou peru.

LANCHE

1º lanche: 1 fruta (rodela de ananás, pêra, maçã, laranja, tangerina, kiwi, melancia ou melão) ou gelatina.

2º lanche: Idêntico ao pequeno-almoço (com apenas 1 fatia de pão ou em alternativa, 2 bolachas Maria ou água e sal ou Maria torrada).

JANTAR

Sugestão 1: Sopa/creme de legumes + 2 tostas integrais com queijo fresco.
Sugestão 2: Salada (exemplo: alface, rúcula, tomate, cenoura, cebola, etc. acompanhada por queijo fresco ou requeijão ou frango ou atum ou salmão).
Sugestão 3: Prato (equivalente ao almoço, excluindo os hidratos de carbono)

CEIA

Sugestão 1: 1 copo de leite magro ou iogurte magro
Sugestão 2: 1 fruta (rodela de ananás, pêra, maçã, laranja, tangerina, kiwi, melancia ou melão) ou 1 gelatina.

Alimentos aconselhados

– Leite magro
– Iogurtes naturais sem açúcar

– Queijo fresco com 0% de gordura

– Legumes frescos ou congelados
– Peixe: pescada, dourada, robalo, salmão, linguado, bacalhau, etc
– Café e chá sem açúcar
– Certas frutas como melancia, melão, pêra, maçã, laranja, tangerina e kiwi
– Sopa de legumes com pouca batata e cenoura: de espinafres, agriões, nabiças, alho francês, feijão verde, rúcula, tomate, couve lombarda, etc.

Alimentos permitidos

– Carne magra: vaca, frango, peru, avestruz
– Conserva natural, patê (atum ou sardinha)
– Charcutaria (sem gordura, muito esporadicamente): presunto, paio, fiambre, salsicha fresca, morcela de sangue
– Queijos com menos de 25% de gordura
– Iogurtes magros
– 2 ovos por semana, se possível evitando a gema
– 1 pão por dia, de preferência integral ou de mistura
– Batatas, massa ou arroz como acompanhamento, mas apenas numa das refeições do dia. De preferência integrais.
– Adoçante: até 10 pastilhas por dia
– Condimentos: azeite, vinagre, caril, gengibre, pimenta, alho, salsa, coentros, ervas aromáticas, azeitonas (até 3 por dia), óleo de girassol ou creme vegetal para cozinhar.
– Vinho tinto maduro seco (um copo esporadicamente), champanhe (em dias de festa).

Alimentos desanconselhados

– Leite gordo
– Produtos lácteos gordos e açucarados (iogurtes gordos, leite)
– Queijos gordos
– Carne gorda: pato, ganso, cabrito, ovelha, etc
– Enchidos, alheiras, farinheiras
– Fritos com farinha, pão ralado, massa de pastel ou de rissol, massa folhada
– Conservas embebidas em gordura
– Fígado, patê de fígado
– Ostras, lagostins, caranguejo, delícias do mar
– Frutos secos e enlatados
– Álcool: vinhos doces (vinho do Porto, da Madeira ou Martini), vinhos rosé, vinho verde, cerveja (mesmo sem álcool), whisky, licores, etc
– Refrigerantes (mesmo os light)
– Doces (bolachas, gelados, chocolates, pastéis, etc.)

Regras a respeitar

 Use especiarias
Podem usar-se condimentos e ervas aromáticas para tornar os pratos mais agradáveis.

 O açúcar é muito rico em calorias e não contém substâncias vitais como outros alimentos
Por esse motivo é totalmente desaconselhado. Por açúcar deve entender-se igualmente caramelos, chocolates, bolos de creme e outros doces.

– O que não se pode comer cru, deve cozinhar-se de forma a prejudicar o menos possível o seu valor nutritivo
Ou seja, não se deve cozinhar demasiado nem guisar, sendo preferível cozer ao vapor, estufar ou assar.

– Durante a refeição devem evitar-se preocupações!
Trabalho, problemas, jornais, televisão, telefone, agitação ou discursos educativos não são adequados à hora da refeição. Uma mesa posta com graça e uma conversa agradável contribuem para criar um ambiente relaxante.

Conselhos úteis

De acordo com a nutricionista Iara Rodrigues, para ter sucesso na perda de peso, deve respeitar os seguintes princípios:

– Faça, no mínimo, três a cinco refeições por dia.
– Beba, no mínimo, 1,5 L de água por dia.
– Evite bebidas alcoólicas e refrigerantes.
– Tome sempre o pequeno-almoço.
– Limite ao máximo as gorduras, fritos e açúcares.
– Pese-se uma vez por semana, no máximo.
– Faça algum exercício (caminhadas, por exemplo).
–  Muna-se de auto-disciplina, força de vontade e perseverança.
– Não é aconselhável perder mais de 4 ou 5 quilos por mês.

Mantendo os dentes do seu filho saudáveis

O indicador de cáries: estará o seu filho em risco?

1. O seu filho já teve alguma cárie?

não – Risco baixo
sim – Risco moderado a alto

No que toca às cáries, o passado é o melhor indicador do que poderá acontecer no futuro. Se o seu filho teve uma cárie, está em risco de desenvolver outras. Quantas mais cáries o seu filho teve, mais cáries poderá desenvolver no futuro. Isto significa que o seu filho desenvolve as bactérias necessárias para formar cáries e que a boca do seu filho possui condições para essa formação.

“O facto de o seu filho ter tido ou não cáries no passado é um indicador da tendência que o mesmo tem para formar cáries no futuro”, diz Burton Edelstein, D.D.S., M.P.H., dentista pediátrico na Universidade de Medicina Dentária de Colúmbia. “Se as crianças tiverem uma grande tendência a formar cáries, devido ao desenvolvimento de bactérias orais e a uma alimentação rica em açúcares, o seu processo de deterioração continuará a danificar os dentes que vão nascendo.”

2. O seu filho tem manchas brancas nos dentes?

não – Risco baixo
sim – Risco moderado a alto

Uma mancha branca tipo giz, em especial junto à linha das gengivas, é o primeiro sinal visível de que uma cárie poderá estar a formar-se num dente. Estas manchas surgem quando começa a existir uma diminuição de minerais na superfície exterior do dente (o esmalte). Isto acontece quando as bactérias da boca, após uma exposição a carboidratos, nomeadamente açúcares, produzem ácidos que atacam a superfície de esmalte dos dentes.

Nesta fase, o processo de deterioração pode ser controlado. Em casa, poderá aplicar flúor nestas manchas brancas, através da utilização de dentífricos ou elixires com flúor, e poderá reduzir o número de vezes que o seu filho consome alimentos ou bebidas que contenham carboidratos ao longo do dia. Esta prática pode ajudar a que o dente seja reparado naturalmente.

Se encontrar uma mancha branca num dos dentes do seu filho, deverá dizê-lo ao seu dentista para que ele observe a situação. Pergunte-lhe o que poderá mudar para prevenir novas deteriorações e para proteger os dentes do seu filho no futuro. Existem outras causas para as manchas brancas nos dentes e, por isso, é importante levar o seu filho a um dentista.

3. O seu filho tem placa bacteriana visível nos dentes?

não – Risco baixo
sim – Risco moderado a alto

Plaque is the sticky, yellowish / white film that forms on teeth, especially along the gum line. It is a mixture of bacteria and other debris. Unless it is cleaned off regularly and completely, plaque can remain active and lead to cavities and gum inflammation.

Children who have plaque on their upper front teeth are at high risk of developing cavities. You can check this by gently scraping a fingernail along the gum line of these four teeth. If anything comes off, it is plaque. You should talk to your child’s dentist about this. .

4. Quantas vezes por dia é que o seu filho escova os dentes?

Duas vezes por dia – Risco baixo
Uma vez por dia – Risco moderado
Menos de uma vez por dia – Risco alto

A principal forma de prevenir as cáries é remover os restos alimentares e a placa bacteriana dos dentes e da boca. As cáries não se formam sem os carboidratos que existem em vários alimentos. Isto acontece porque as bactérias na boca precisam de açúcar dos carboidratos para produzir ácidos, que depois dissolvem a camada exterior do dente, ou seja, o esmalte.

Muitos dentistas recomendam escovar dos dentes pelo menos duas vezes por dia para remover os restos alimentares e a placa bacteriana. A placa bacteriana é uma substância mole que se fixa aos dentes, como as geleias que ficam agarradas a uma colher. É, de facto, um agregado de bactérias e outros organismos, amontoados também com restos alimentares. A placa bacteriana começa a formar-se imediatamente depois de escovar os dentes. É exactamente por isso que é tão importante escovar os dentes regularmente.

5. O seu filho escova os dentes com um dentífrico com flúor?

sim – Risco baixo a moderado
não – Risco alto

As cáries formam-se quando as bactérias da boca produzem ácidos, que provocam a diminuição de minerais do dente. Isto decompõe a camada exterior do dente, o esmalte. O flúor ajuda a substituir os minerais que se perdem e também fortalece os dentes. A utilização diária de um dentífrico que contenha flúor é essencial. Tenha atenção à forma como o seu filho usa o dentífrico com flúor, pois as crianças pequenas têm tendência a engoli-lo após a escovagem, o que é um procedimento incorrecto. Deverá usar uma quantidade pequena de dentífrico (do tamanho do dedo mindinho da criança) e encorajar o seu filho a não engolir nada. Evite dentífricos com sabores que possam encorajar a deglutição.

É importante que fale com o seu dentista para saber se o seu filho está a receber a quantidade certa de flúor. Se não estiver, o dentista poderá sugerir a melhor forma de alterar o consumo de flúor do seu filho. O seu dentista poderá sugerir suplementos de flúor se existirem outros factores que aumentem o risco de o seu filho desenvolver cáries.

6. O seu filho bebe sobretudo água que não contém flúor?

não – Risco baixo a moderado
sim – Risco alto

O flúor é essencial para ter dentes fortes e resistentes às cáries. Uma vez que a principal fonte de flúor para muitas crianças é a água da torneira, é importante que os pais saibam se a água que consomem é água fluoretada. A forma mais fácil de descobrir se a água é fluoretada e qual a concentração de flúor que tem é contactar os serviços de água da sua área. Deverá encontrar os contactos certos numa factura da água, ou poderá pesquisar na secção municipal da sua lista telefónica. O seu dentista ou pediatra poderá também ser capaz de lhe fornecer esta informação.

As crianças também podem obter flúor através dos dentífricos. As crianças com alto risco de deterioração dentária poderão necessitar de suplementos de flúor, desde elixires, gel ou outros suplementos receitados pelo dentista, ou tratamentos com flúor durante uma consulta.

É importante que fale com o seu dentista para saber se o seu filho está a receber a quantidade certa de flúor. Se não estiver, o dentista poderá sugerir a melhor forma de alterar o consumo de flúor do seu filho.

7. O seu filho tem dentes tratados com selantes (colocados por um profissional de saúde dentária)?

sim – Risco baixo
não – Risco moderado

Os selantes são revestimentos de plástico protectores, transparentes ou com cor, colocados sobre as superfícies de mastigação dos dentes de trás permanentes (molares e pré-molares). Estas áreas são mais propensas a cáries porque estes dentes têm fendas, a que os dentistas chamam de sulcos ou fissuras. A comida fica presa com facilidade nessas fendas, que são mais difíceis de limpar. Isto faz dos sulcos e fissuras o ambiente perfeito para o desenvolvimento de bactérias e, consequentemente, de cáries.

Os selantes cobrem os sulcos e fissuras e alisam a superfície de mastigação, o que dificulta a acumulação de comida nesses dentes. A aplicação de selantes é um processo que pode ser feito durante um consulta de rotina. Fale com o seu dentista sobre a aplicação de selantes nos dentes do seu filho.

8. Com que frequência é que o seu filho vai ao dentista?

Uma ou duas vezes por anão – Risco baixo
Nunca – Risco alto

Uma das melhores formas de manter os dentes do seu filho saudáveis e de prevenir as cáries é levá-lo ao dentista ou a um higienista oral regularmente. O dentista ou higienista oral observará a boca e os dentes do seu filho, sugerirá alterações para mantê-los saudáveis e fará um programa de consumo de flúor se necessário. Poderá também dar-lhe sugestões sobre como escovar os dentes, como usar o fio dentário ou outros hábitos saudáveis.

Mesmo que os dentes do seu filho estejam em boas condições, é importante levá-lo ao dentista a cada seis meses ou pelo menos uma vez por ano. O dentista fornece informações sobre o crescimento e desenvolvimento do seu filho e avalia os riscos de formar cáries, lesões, problemas de oclusão (maloclusão) e outros problemas orais. Os especialistas recomendam que uma criança visite o dentista seis meses depois de nascer o primeiro dente ou por volta do seu primeiro aniversário.

9. O seu filho está actualmente a ser tratado devido a um problema ortodôntico?

não – Risco baixo a moderado
sim – Risco alto

Os aparelhos dificultam a escovagem dos dentes do seu filho e criam mais locais para o desenvolvimento de placa bacteriana, difíceis de lavar. Se a comida ficar presa no aparelho ou entre os dentes, a placa bacteriana que se forma poderá desenvolver cáries.

Os aparelhos ortodônticos aumentam o risco de o seu filho desenvolver cáries e, por isso, o seu médico poderá recomendar a utilização diária de um elixir ou gel com flúor para ajudar a fortalecer os dentes e a protegê-los de cáries.

É igualmente importante que o seu filho aprenda a limpar os dentes com o aparelho e, da sua parte, é importante verificar a forma como o mesmo está a proceder. A escovagem de dentes com aparelho pode demorar mais tempo e ser mais difícil.

Peça ao seu médico para vos demonstrar, a si e ao seu filho, a melhor forma de escovar os dentes e utilizar o fio dentário com o aparelho.

10. O seu filho tem necessidades de saúde especiais ou toma medicação regularmente?

não – Risco baixo a moderado
sim – Risco alto

Há situações especiais que aumentam a probabilidade de desenvolvimento de cáries. As crianças que sofrem de doença mental ou física podem ter mais dificuldade a escovar os dentes e podem precisar de ajuda ou supervisão. Pode usar dispositivos para higiene oral, tais como escovas de dentes com cabos mais largos que são mais fáceis de agarrar. Além disso, considere usar escovas eléctricas. Estas não requerem tantos movimentos do braço para limpar os dentes. Existem porta-fios que permitem o uso de fio dentário apenas com uma mão e facilitam a limpeza de locais de difícil acesso da boca. Existem dispositivos de irrigação oral que podem ser usados para remover partículas de comida maiores. Todos estes dispositivos devem ser considerados para crianças que sofrem de dor ou têm os movimentos limitados, o que pode dificultar a limpeza da boca e dos dentes. Aconselha-se consultar o dentista ou higienista oral para receber informações sobre os dispositivos e produtos mais adequados.

Alguns medicamentos podem aumentar o risco de o seu filho desenvolver cáries. Alguns medicamentos, por exemplo, contêm açúcares e/ou adoçantes que podem aumentar o risco de formação de cáries. É difícil determinar se um medicamento que é doce contém açúcar ou não, pelo que é importante que escove os dentes da criança depois de lhe dar a medicação.

11. Se o seu filho tem mais de 3 anos, ainda usa biberão?

não – Risco baixo a moderado
sim – Risco alto

As crianças com mais de 3 anos e que ainda usem o biberão têm um risco maior de desenvolver cáries se colocar no biberão líquidos para além de água. Quando os dentes de uma criança estão continuamente expostos a bebidas que contêm carboidratos, como sumo ou leite, as bactérias começam a alimentar-se dos açúcares. Estas bactérias produzem ácidos, que podem causar a deterioração dos dentes. Quanto maior for o consumo de bebidas ricas em açúcar, maior é o risco de deterioração grave.

Além disso, é possível que uma criança com 3 anos ou mais que ainda use o biberão seja deitada ou adormeça com o biberão, o que expõe os dentes ainda mais a carboidratos.

Encoraje as crianças a utilizarem um copo à medida que se aproximam do seu primeiro aniversário. As crianças devem deixar o biberão entre os 12 e os 14 meses de idade.

12. O seu filho adormece durante a amamentação ou quando está a beber leite ou sumo no biberão?

não – Risco baixo a moderado
sim – Risco alto

Quando um líquido com carboidratos, como sumos ou leite, permanece na boca, as bactérias começam a alimentar-se dos açúcares. Nesse processo, as bactérias produzem ácidos, que podem causar a deterioração dos dentes.

Quanto mais líquidos ricos em açúcar a criança consumir, maior é o risco de deterioração grave.

Além disso, a saliva, que é importante para limpar e lavar os dentes, é bastante reduzida durante o sono. A baixa produção de saliva durante o sono da criança conduz a uma menor protecção contra os ácidos perigosos que as bactérias produzem.

13. O seu filho é certo nas refeições ou faz muitos lanches?

(Responda “é certo nas refeições” se o seu filho come entre três a cinco refeições por dia e não come nem bebe nada excepto água entre as refeições.

Responda “faz muitos lanches” se o seu filho come uma refeição ou come ou ingere bebidas que não água entre as refeições, mais de cinco vezes por dia.)

é certo nas refeições – Risco baixo
faz muitos lanches – Risco moderado a alto

No que toca a prevenir as cáries, é tão importante o tipo de comida que uma criança come como a regularidade do consumo dessas comidas. Isto porque a comida afecta os dentes muito depois de a engolir. Muitos carboidratos transformam-se em açúcares dentro da boca. As bactérias da boca alimentam-se destes açúcares e produzem ácidos, que dissolvem a camada exterior do dente, ou seja, o esmalte. Os carboidratos que produzem ácidos na boca incluem não só as comidas ricas em açúcar, como bolos ou guloseimas, mas também comida pouco doce, como pão, cereais, arroz ou bananas.

Se o seu filho fizer muitos lanches durante o dia, mesmo que seja só beber um sumo, as bactérias poderão produzir ácidos quase constantemente. Isto aumenta a probabilidade de deterioração dos dentes. Existem estudos que mostram que as crianças que consomem doces entre as refeições têm mais tendência a ficar com os dentes deteriorados do que as que consomem a mesma quantidade de doces com as refeições.

A boa notícia é que alguns alimentos conseguem protegê-lo contra a deterioração. Estes incluem os legumes, as frutas, o leite, o queijo, a carne, o peixe e os feijões. Estes alimentos são consideradas “protectores dentários”, pois fornecem os minerais, vitaminas e proteínas necessários para fortalecer os dentes e as gengivas e para os manter saudáveis. Alguns alimentos, como frutas e legumes não cozinhados, também ajudam a limpar os dentes, aumentando a produção de saliva e removendo as partículas de comida que podem estar presas entre os dentes. A saliva é muito importante para limpar e lavar os dentes. Mascar pastilhas sem açúcar também aumenta a produção de saliva.

Fale com o seu dentista ou higienista oral sobre o que pode fazer para melhorar os hábitos de alimentação do seu filho.

14. O seu filho come pastilhas elásticas, rebuçados ou doces que contenham xilitol?

não – Risco alto
sim – Risco baixo a moderado

O xilitol é um adoçante natural que pode ser encontrado na fruta, por exemplos nos morangos, ameixas ou peras. O xilitol parece e sabe a açúcar, pelo que alguns fabricantes de alimentos e guloseimas usam-no como adoçante nos seus produtos. O xilitol é um adoçante amigo dos dentes por duas razões. Primeiro, as bactérias que causam a deterioração dos dentes não se alimenta do xilitol da forma que o fazem dos açúcares. Isto significa que as bactérias não conseguem usar o xilitol para produzir os ácidos que provocam a deterioração dos dentes. Segundo, alguns investigadores têm mostrado que produtos como pastilhas ou guloseimas sem açúcar que contenham xilitol podem ajudar a evitar a deterioração dos dentes. Verificou-se que o xilitol impede o desenvolvimento das bactérias responsáveis pela deterioração dos dentes e também dificulta que as bactérias se fixem à superfície dos dentes, onde se inicia o processo de deterioração. Mascar pastilhas ou comer rebuçados que contenham xilitol em vez de açúcar poderá ajudar a reduzir as hipóteses de os dentes do seu filho ficarem deteriorados.

15. Come pastilhas elásticas, rebuçados ou doces que contenham xilitol?

não – Risco alto
sim – Risco baixo a moderado

O número de cáries que tem é directamente proporcional à quantidade de bactérias responsáveis pelas cáries que se alojam na sua boca. Estas bactérias são denominadas Streptococcus mutans. Quando alguém responsável por uma criança com menos de 5 anos tem um elevado nível destas bactérias, é mais fácil que as transmita à criança em actividades quotidianas, como ao cozinhar, ao dar-lhe comida à boca ou através dos afectos. Por exemplo, se estiver a dar comida ao seu filho e provar a comida primeiro com a mesma colher, irá transmitir as bactérias responsáveis pelas cáries ao seu filho. É difícil limitar o contacto mais íntimo, como abraços ou beijos, por isso é importante que quem cuida de uma criança controle a quantidade de bactérias responsáveis pelas cáries e a abundância de placa bacteriana. Uma forma de controlar esse aspecto é através de pastilhas ou rebuçados que contenham xilitol. Isto impedirá o crescimento destas bactérias que causam a deterioração dos dentes e haverá menos bactérias perigosas que possam ser transferidas para a boca do seu filho.

16. Se o seu filho tem menos de 5 anos, quantas cáries é que o principal responsável da criança teve nos últimos três anos?

nenhuma ou uma – Risco baixo
duas – Risco moderado
Três ou mais – Risco alto

O número de cáries que tem é directamente proporcional à quantidade de bactérias responsáveis pelas cáries que se alojam na sua boca. Estas bactérias são denominadas Streptococcus mutans. Quando alguém responsável por uma criança tem um elevado nível destas bactérias, é mais fácil que as transmita à criança em actividades quotidianas. Os responsáveis por crianças que tenham tido uma ou nenhuma cárie recentemente terão possivelmente um nível baixo de bactérias responsáveis pelas cáries.