Noções básicas sobre acções: como as acções são negociadas

Os mercados de acções são locais onde compradores e vendedores de acções se encontram e decidem sobre um preço para negociar.

Algumas bolsas são locais físicos onde as transacções são realizadas em um pregão, mas cada vez mais as bolsas de valores são virtuais, compostas de redes de computadores onde as negociações são feitas e registadas electronicamente.

Os mercados de acções são mercados secundários, onde os proprietários existentes de acções podem negociar com compradores em potencial. É importante entender que as corporações listadas nos mercados de acções não compram e vendem suas próprias acções em uma base regular (as empresas podem realizar recompras de acções ou emitir novas acções, mas estas não são operações quotidianas e muitas vezes ocorrem fora do quadro de um intercâmbio). Então, quando você compra uma acção no mercado de acções, você não a compra da empresa, você a compra de algum outro accionista existente. Da mesma forma, quando você vende suas acções, você não as vende de volta para a empresa – em vez disso, você as vende para algum outro investidor.

Os primeiros mercados de acções surgiram na Europa nos séculos XVI e XVII, principalmente em cidades portuárias ou centros comerciais como Antuérpia, Amesterdão e Londres. Essas primeiras bolsas de valores, no entanto, eram mais parecidas com as trocas de títulos, já que o pequeno número de empresas não emitia capital. Na verdade, as empresas mais antigas eram consideradas organizações semi-públicas, pois precisavam ser afretadas pelo governo para realizar negócios.

O advento dos mercados de acções modernos deu início a uma era de regulamentação e profissionalização que agora garante que os compradores e vendedores de acções possam confiar que suas transacções serão realizadas a preços justos e dentro de um período razoável de tempo. Actualmente, existem muitas bolsas de valores nos EUA e em todo o mundo, muitas das quais estão ligadas electronicamente. Isso, por sua vez, significa que os mercados são mais eficientes e mais líquidos.

Também existe uma série de bolsas de balcão pouco regulamentadas, às vezes conhecidas como quadros de avisos, que usam o acrónimo OTCBB. As acções do OTCBB tendem a ser mais arriscadas, pois listam empresas que não atendem aos critérios de listagem mais rígidos de trocas maiores. Por exemplo, trocas maiores podem exigir que uma empresa esteja em operação por um determinado período de tempo antes de ser listada, e que ela atenda a certas condições relacionadas ao valor e ao lucro da empresa. Na maioria dos países desenvolvidos, as bolsas de valores são organizações de autor-regulamentação, organizações não-governamentais que têm o poder de criar e fazer cumprir normas e padrões do sector. A prioridade para as bolsas de valores é proteger os investidores através do estabelecimento de regras que promovam a ética e a igualdade.

Os preços das acções em um mercado de acções podem ser definidos de várias maneiras, mas a maneira mais comum é através de um processo de leilão em que compradores e vendedores fazem lances e ofertas para comprar ou vender. Uma oferta é o preço pelo qual alguém deseja comprar, e uma oferta (ou pedir) é o preço pelo qual alguém deseja vender. Quando a oferta e a oferta coincidem, uma negociação é feita.

Bolsas globais sobem em altas com BCP e Jerónimo Martins

A praça lisboeta abriu a sessão em queda ligeira, tendo logo invertido para terreno positivo apoiada pela subidas do BCP e da Jerónimo Martins. Os CTT recuam acima de 3%, isto depois de os correios nacionais terem reportado uma queda dos lucros para metade no primeiro trimestre.

Apesar de ter iniciado a sessão desta quinta-feira, 3 de Maio, em queda ligeira, o PSI-20 inverteu ainda no início da negociação bolsista para somar ténues 0,08% para 5.502,61 pontos. Na Europa as principais praças do Velho Continente começaram o dia a negociar em terreno negativo.

A apoiar os ganhos em Lisboa está o BCP, que soma 0,61% para 0,2815 euros, e a Jerónimo Martins, que avança 0,63% para 14,355 euros. Ainda no retalho mas em sentido oposto, a Sonae começou o dia a perder 1,07% para 1,106 euros.

Também em alta abriu a Galp Energia (+0,25% para 15,83 euros), isto depois de ontem a petrolífera ter anunciado um acordo com a Venture Global LNG para a aquisição, durante 20 anos, de um milhão de toneladas de gás natural liquefeito (GNL) por ano. Ainda do lado dos ganhos no sector energético está a EDP (+0,10% para 3,064 euros) e a REN (+0,15% para 2,598 euros) no dia em que a cotada liderada por Rodrigo Costa apresenta resultados já depois do fecho da bolsa. Já a EDP Renováveis cede 0,06% para 8 euros por acção.

Em destaque pela negativa estão os CTT que perdem 3,08% para 2,958 euros, o que acontece no dia seguinte à empresa ter reportado lucros nos primeiros três meses do ano de 5,4 milhões de euros, uma queda de 48,2%, face aos 10,3 milhões de euros um ano antes.